Coletiva Check In com arte no Radisson Hotel

Gravura Galeria de Arte e Hotel Radisson Porto Alegre promovem nova edição do Check-in com Arte

 

A partir do dia 13 de dezembro de 2017, com coquetel de abertura marcada para às 19h, a Gravura Galeria de Arte e o Hotel Radisson Porto Alegre apresentam a segunda edição do projeto “Check-in com Arte”. O intuito é que exposições coletivas dos artistas representados pela galeria sejam levadas ao lobby e mezanino do hotel, para que os hóspedes e visitantes possam conhecer o trabalho de grandes artistas gaúchos.

 

Nesta edição serão apresentadas obras dos artistas: Alenyr Ávila, Arminda Lopes, Cassio Raabe, Cristina Leal, Elisa Zattera, Lorena Steiner, Lou Borghetti, Magna Sperb, Marcelo Hübner, Maria Luiza Cangeri, Paulo Amaral, Rita Gil, Rosali Plentz, Susan Mendes, Victor Hugo e Vitor Senger.

 

Telas, esculturas e pinturas farão parte da exposição, que mostrará uma grande variedade de técnicas e individualidades de cada artista. Todas as obras expostas no “Check-in com Arte” poderão ser comercializadas. O coquetel de abertura ficará por conta do maravilhoso restaurante Don Pallesi. O horário de visitação é diariamente das 8h às 20h. Mais informações pelo e-mail gravura@gravuragaleria.com.br ou pelos fones (51)3333-1946 e (51)99666-3972.

 

“Check-in com Arte”

Data: A partir de 13 de dezembro de 2017.

Coquetel de Abertura: 13 de dezembro de 2017, às 19h.

Visitação: Diariamente, das 8h às 20h.

Local: Hotel Radisson Porto Alegre (Av. Coronel Lucas de Oliveira, 995).

 

Kika Herrmann e Lorena Steiner

Gravura Galeria de Arte abre exposições de Kika Herrmann e Lorena Steiner
A Gravura Galeria de Arte inaugura, dia 08 de novembro (quarta-feira) as exposições “Universo Colorido” de Kika Hermann, e “Cor da Pedra” de Lorena Steiner.
A publicitária e artista visual Kika Herrmann convida para um passeio por um Universo Colorido. Luzes, sombras, texturas e contrastes permeiam as cores vibrantes, em espatuladas soltas, ricas em tintas, vivas e alegres. Obras expressionistas, com grande diversificação em formatos convidam para um brinde à vida, em acrílica sobre tela.
Kika Herrmann é publicitária, pela PUC/RS, com cursos e trabalhos em programação visual e design gráfico. Tem formação em desenho clássico, entre outros, e desenvolve trabalhos em carvão, aquarela, pastel e bico de pena. Passeia pelas diversas técnicas e escolas, se identificando cada vez mais com o expressionismo alemão. Expõe em algumas coletivas em Porto Alegre, São Paulo, Búzios (RJ) e desde 2014, também tem realizado exposições individuais.
Já em “Cor da Pedra” Lorena Steiner procura envolver a natureza de forma particular. As pedras lhe fornecem as cores e a massa interna, e isso é tudo que precisa para desenvolver o seu trabalho. A coleta se dá de forma simples. Os resíduos são importantes para seu trabalho: tanto os adquiridos na indústria da construção civil, quanto os descartados por artistas que fazem esculturas com os diversos tipos de pedra. Com o pó e cola branca, depois de um processo trabalhoso, produz cores e resultados únicos.
Pedagoga, Lorena também tem Pós-Graduação em Poéticas Visuais e participou de diversos cursos e workshops como aquarela, processo criativo e história da arte moderna, entre outros. Desde 1998 expõe individualmente e, desde 2004, coletivamente.

SERVIÇO:
“Universo Colorido” de Kika Hermann, e “Cor da Pedra” de Lorena Steiner
Gravura Galeria de Arte: Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis, Porto Alegre – RS-Fone: 51-33331946 – gravura@gravuragaleria.com.br
Vernissage: 08/11/2017, às 19h
Visitação: até 02/12/2017, segundas a sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30.

08

Ana Mahler e Susana Luft

Ana Mähler e Susana Luft na Gravura Galeria de Arte
A Gravura Galeria de Arte recebe nesta quinta, 05 de outubro, duas exposições individuais: “O Concreto e o Incerto”, de Ana Mähler, na Sala Nova, e “Jardins da Infância” de Susana Luft, na Sala Negra.
Com curadoria de Letícia Lau, a exposição “O Concreto e o Incerto” da artista Ana Mähler é a apresentação da sua nova série que reflete uma posição política da artista dentro do contexto em que estamos vivendo, onde há incertezas da vida e uma angústia sobre o futuro. “O que temos de concreto num momento poderá não existir num futuro próximo! Como podemos identificar o que é verdadeiro e o que é falso?” indaga a artista.
Para materializar seus questionamentos a artista cria 06 pinturas, 04 objetos de parede e 01 escultura mantendo sua pesquisa sobre a representação do espaço, da perspectiva, da tridimensionalidade e dos efeitos de luz e sombra. A artista brinca com a ilusão, e usa de referência a obra do artista holandês Escher. Ela elabora seus trabalhos estabelecendo uma quebra na perspectiva. “Há sempre algo que não fecha, um elemento que falta, ou que fica flutuando” enfatiza.
Ana Mähler é artista visual e arquiteta. Produziu esta série, e todas as anteriores, com a orientação da artista Vera Wildner, que faleceu recentemente, em 22 de setembro. Em homenagem a sua mestra, Mähler intitulou uma das obras da exposição de “Nada”, referência ao trabalho de Wildner.
Já na Sala Negra, Susana Luft, inspirada em memórias de infância da casa de sua avó, retrata os jardins de sua antiga casa, o lago, as magnólias e se apropria da personagem Alice no País das Maravilhas, que faz parte de seu repertório infantil. Em seu processo criativo, a artista usa recorte, colagem, pastel oleoso e lápis grafite como em sua infância, e também a pintura acrílica, onde utiliza das técnicas aprendidas com seus orientadores.
Nessa exposição traz dez obras em técnica mista sobre tela. Aluna de Plínio Bernhardt e Vera Wildner, a pintora e médica pediatra Susana Luft ilustrou Histórias de Bruxa Boa e A Volta da Bruxa Boa em co-autoria com a escritora Lya Luft, sua mãe.
SERVIÇO:
Exposições: “O Concreto e o Incerto”, de Ana Mähler e “Jardins da Infância” de Susana Luft
Local: Gravura Galeria de Arte – Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre
Vernissage: 05 de outubro (quinta-feira) de 2017, às 19h
Visitação: até 30 de outubro de 2017, segundas a sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30.

Rejane Karam e Tity Pons

Rejane Karam e Tity Pons na Gravura Galeria de Arte

A Gravura Galeria de Arte recebe, a partir de terça-feira, dia 05 de setembro, duas exposições individuais: “Vertente” de Rejane Karam, na Sala Nova, e “Cor: fluídos e percursos”, de Tity Pons, na Sala Negra.

Duas exposições individuais que dialogam entre si através da forte presença da água e da cor nos processos criativos de ambas as artistas bageenses.

Na leitura de Letícia Lau, curadora das exposições, “Rejane Karam apresenta trabalhos justapostos com os quais verte sua cor. Uma mescla de pintura densa com muitas sobreposições de camadas e rastros de cor sobre camadas de tinta e uma pintura mais leve, onde a artista abandona as camadas anteriores e a cor começa a verter diretamente sobre o fundo da tela. Com o auxílio do pincel embebido em água, pressiona o material contra a superfície deixando a tinta escorrer”.

Já “Cor: fluídos e percursos” reflete a pesquisa de Tity Pons para compreender o comportamento das tintas e dos pigmentos quando reagem com fluidos como a água e o óleo. Ela testa densidades de cada pigmento e de cada fluido com o qual trabalha. Também experimenta formas de secagem, possibilidades de aplicação sobre o campo pictórico e os percursos, diz a curadora.

Serão expostas 20 obras ao todo, em acrílica sobre tela.

 

SERVIÇO

Exposição: “Vertente” de Rejane Karam e “Cor: fluídos e percursos”, de Tity Pons

Local: Gravura Galeria de Arte – Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre

Vernissage: 05 de setembro (terça-feira) de 2017, às 19h

Visitação: até 30 de setembro de 2017, segundas a sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30

Miniarte e Marcos Strey

Projeto Miniarte e exposição de Marcos Strey são atrações da Gravura Galeria de Arte

A Gravura Galeria de Arte abrirá duas exposições na quinta-feira, dia 10 de agosto. Na Sala Negra ocorrerá a abertura do 28º Intercâmbio Internacional de Miniarte Fantasia, com criação e coordenação da artista Clara Pechansky. Já a exposição “Um espaço, muitos tempos…”, de Marcos Strey, irá ocupar a Sala Nova.

O projeto Miniarte foi criado em 2003 com o objetivo de mostrar, em pequenos formatos, um panorama de artes visuais de várias regiões do mundo e tem edição anual. Após exposição em Gramado, agora é a vez de Porto Alegre apreciar esta mostra internacional, com mais de 100 artistas da Argentina, Brasil, Colômbia, Estados Unidos, Chile, Holanda e México. Um catálogo trilíngue será lançado na mesma ocasião, contendo todas as obras da exposição, a relação das 27 edições da Miniarte e textos em português, espanhol e inglês.

O Projeto Miniarte já foi exibido em diferentes espaços internacionais, sempre reunindo artistas de variadas origens em cada uma de suas edições. A idealizadora, Clara Pechansky, salienta o caráter democrático do projeto, já que não há seleção de obras. Isso permite que iniciantes e artistas consagrados sejam mostrados lado a lado.

Na sala nova, Marcos Strey, através de trinta obras na temática surrealista, convida o público a interpretar os seus próprios sentimentos e associações inconscientes da realidade. O tema “Um espaço, muitos tempos…” faz relações entre o tempo natural, o tempo atmosférico e o espaço geográfico. Nas obras, a técnica é a ilustração a mão livre, em que foram utilizadas canetas pentel ponta fina sobre papel canson.

Natural de Nova Petrópolis, Marcos Strey veio para Porto Alegre em 1964, onde estudou na Escola Nacional de Desenho (END). Sua vida foi dedicada às produções gráficas e publicitárias para agências e empresas jornalísticas da Capital. Atualmente dedica tempo integral às artes, como artista visual trabalhando com diversas técnicas que transitam entre a pintura a óleo, escultura e ilustrações.

Serviço:

Exposições: Miniarte Fantasia e “Um espaço, muitos tempos…”

Abertura: 10 de agosto de 2017, quinta-feira, às 19h

Visitação: até 02 de setembro de 2017, segundas a sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre).

Maria Inês Rodrigues e Dirce Fett

Maria Inês Rodrigues e Dirce Fett  expõem na Gravura Galeria de Arte
A Gravura Galeria de Arte abrirá duas exposições individuais na próxima quarta-feira, 05 de julho. Maria Inês Rodrigues ocupará a Sala Negra com “Época de Simões Lopes Neto: Mitos, Lendas e Músicos” e Dirce Fett apresenta sua mostra “Intervalos” na Sala Nova.
Inspirada na literatura de João Simões Lopes Neto, com sua herança telúrica, Maria Inês Rodrigues produziu esta nova e surpreendente série de gravuras em metal, incluindo trezentas onças de ouro, gaúchos, cavalos e um campo aberto à imaginação. Para Teniza Spinelli “vemos a realidade campeira das histórias serem apropriadas pela imaginação da artista que as recriou, e assim produziu um conjunto, que além da simples ilustração, alcança o patamar da verdadeira arte”.
A artista iniciou seus estudos de desenho aos quatorze anos com os artistas Vasco Prado e Zorávia Bettiol. De 1967 a 1969 estudou na Slade School, em Londres, e, posteriormente, pintura com Ado Malagoli e Iberê Camargo. Formou-se em Artes Plásticas pela UFRGS, em 1988. Dona de um conhecimento técnico aprofundado sobre os procedimentos acerca da gravura, produzindo várias séries de peças de grande qualidade, ao longo de mais de 30 anos de carreira. Seus trabalhos estão presentes em importantes acervos do país (MARGS, MASP, MAB-FAAP SP) e em diversas coleções particulares, no Brasil e no exterior.
Já Dirce Fett, com obra reconhecida pelo uso das cores primárias, funde-se numa exuberante paleta mista. Paulo Amaral, que batizou a exposição, disse que o termo “Intervalos” veio da ideia de como se desenvolve o trabalho de Dirce, isto é, o desenho de pequenas ilhas coloridas de claros contornos, agrupadas lado a lado, por vezes invadindo-se umas às outras, com representações distintas, tudo isso constituindo um universo estranho ao olhar.
A artista começou a pintar em 2000 e é formada em cursos de Historia da Arte Moderna, Desenvolvimento de projetos e Curso “da observação à expressão, todos da Escola de Artes Visuais. Também cursou pintura com David da Costa, no Estúdio 279, e colagem e técnicas mistas, com Silvia Cadaval, no Atelier Coletivo 107. Já expôs individualmente na International Arts Coalition, em Nova Iorque, e na Galeria Everest, no Rio de Janeiro.Também já participou de diversas exposições coletivas no Brasil e no exterior. Vive no Rio de janeiro.
Exposições:
Época de Simões Lopes Neto: Mitos, Lendas e Músicos, de Maria Inês Rodrigues
Intervalos, de Dirce Fett
Abertura: 05 de julho de 2017, quarta-feira, às 19h
Visitação: até 05 de agosto de 2017, segundas às sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30

Gravura Galeria de Arte: Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre.

 

 

 

 

A Grande Tela e Escolha Suas Asas

Duas exposições coletivas ocuparão os espaços da Gravura Galeria de Arte em junho. A Grande Tela é formada por 17 artistas que foram convidados pelo curador Rodrigo Corrêa a inspirarem-se cada um em um filme para pintar em aquarela ou acrílica sobre tela. Já na exposição Escolha Suas Asas, 11 artistas foram convidados para criar obras aladas que serão inspiradas na biologia, historia, mitologia, ciência e tecnologia, de forma lúdica e artística.
A Grande Tela, a do cinema, é aquela que emociona, faz rir, chorar, entender o que temos dificuldade de compreender, que conta a historia e pondera sobre o futuro, que nos ensina, dá lições de vida. A exposição evidencia o tamanho do espetáculo. A primeira das artes fala sobre a oitava arte. Serão grandes filmes como E o vento levou e A pele em que habito interpretados por artistas sensíveis.
Já Escolha Suas Asas é guiada pelo desejo de voar, que tem acompanhado a trajetória humana desde os seus primórdios na terra. No plano material o homem criou instrumentos que foram se sofisticando à medida que seu conhecimento, em diversas áreas, tornou-se mais abrangente surgindo, daí, a aviação e mais recentemente a astronáutica. Acredita-se que, anteriormente ao desejo físico de voar, o homem sonhou com esta possibilidade e conseguiu expressá-la por meio da arte nas suas mais variadas formas como na mitologia e, posteriormente nas religiões.
A partir dessa reflexão concretiza-se o projeto Escolha Suas Asas. A ideia é uma exposição interativa onde cada artista poderá customizar, construir, esculpir ou pintar suas asas, de forma que o público espectador possa sair do seu lugar de mero admirador da sua obra para tornar-se um coautor usando, colocando, imprimindo sua expressão pessoal, tentando voar com as asas do seu artista e de suas ideias. Os artistas foram convidados a inspirarem, discutirem, admirarem e serem admirados, emocionarem-se e serem emocionados. O público será estimulado a interagir com as obras e colocar suas selfies nas redes sociais. A curadoria da mostra é feita por Rodrigo Corrêa e Corali Cardoso, além da coordenadora geral e galerista Regina Galbinski Teitelbaum.
SERVIÇO
Exposições coletivas A Grande Tela e Escolha Suas Asas
Abertura: 07 de junho de 2017, às 19h
Visitação: até 1º de julho de 2017. De segundas às sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30

Endereço: Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre – 51-33331946

 

Júlia Alves e Marion Lunke

Galeria Gravura recebe as obras de Júlia Alves e Marion Lunke

 

A Gravura Galeria de Arte receberá, em maio, duas exposições: Marion Lunke, que já expôs no espaço, e Júlia Alves, que apresentará pela primeira vez suas obras.  Dia 04 de maio de 2017, às 19h, as duas artistas estarão na Rua Coronel Corte Real, 647 – Porto Alegre, para o vernissage de suas exposições.

Marion Lunke apresenta seus mais recentes trabalhos em grandes formatos, onde as flores e a figura humana se destacam em meio a gestualidade impressa na tela. Pinturas carregadas de largas pinceladas e linhas orgânicas sobrepostas com camadas de cores em tons naturais compõem o repertório da artista, referenciando a arte informal que se caracteriza pela liberdade do gesto, pela experimentação, e a espontaneidade. Nascida na Alemanha, a artista expõe no Brasil há mais de 20 anos, e já realizou exposições individuais na Gravura Galeria de Arte, onde também é prestigiada no projeto Atlântida Arte. Nesta mostra, estará apresentando dezesseis pinturas na Sala Nova do espaço.

Júlia Alves é jornalista e através da pintura encontrou uma maneira de expressar fisicamente seus processos internos de transformação e autoconhecimento. A vida agitada, encontros entre pessoas que são expoentes da cidade, conversas e a quantidade de informações que a interessam são a paixão antiga da colunista social do Jornal Zero Hora. Nesse contexto, a arte surge como uma janela de respiro silencioso entre tantos elementos, telefonemas e eventos que formam sua rotina. As telas são feitas com cores vibrantes, onde carrega energia positiva. A produção é feita escutando música, por isso apelidou cada quadro com o nome de uma canção que traduz em palavras algum sentimento. Sobre sua inspiração, diz: “A única resposta possível é o amor, que está em todas as coisas e por todos os lugares – basta prestar atenção aos detalhes”. Sua mostra estará na Sala Negra da galeria.

Serviço:

Abertura: 04 de maio de 2017, às 19h

Endereço: Rua Coronel Corte Real, 647 – Petrópolis / Porto Alegre

Visitação: até 03 de junho de 2017. De segundas as sextas das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30.

 

Ivone Rabelo

Ivone Rabelo
Galeria Gravura 05 a 29 de abril de 2017

Quem nunca contemplou um jardim?
Os Jardins são pequenos oásis em meio a selva de pedras das grandes cidades e essenciais para o contato do homem com a natureza. Na história da arte, foram representados em diversas épocas e estilos. No impressionismo, Claude Monet cultivou e pintou seus jardins e hoje podem ser visitados e admirados em seus quadros, uma memória que se perpetua.
Ivone Rabelo, bióloga de formação, traz consigo a memória dos jardins bem cuidados pela mãe, irmãs e vizinhos na pequena Paciência, localidade do município de Taquara, onde morava no tempo de infância. Seu pai colhia, todas as manhãs, uma flor de Jasmin que cheirava demoradamente antes de colocar no bolso do casaco a caminho do trabalho. Esta memória afetiva impulsionou e direcionou as escolhas da artista para desenvolver seu processo criativo.
Hoje caminha pela calçada do seu bairro e coleta folhas dos jardins de seus vizinhos na cidade grande. Estas são folhas de flecheras, coqueirinhos e palmeirinhas que serviram de inspiração para suas pinturas.
Ao iniciar uma pintura desta série, a artista deita a tela no chão, sobrepõe as folhas e borrifa uma tinta bem diluída conduzindo a água e criando caminhos no espaço pictórico. Busca cobrir o tecido criando manchas na primeira camada e aos poucos sobrepõe com mais folhas e mais tinta, vai aproveitando os espaços vazios e cobrindo algumas partes e deixando aparecer outras que estão no último plano gerando profundidade na composição até encontrar a harmonia e a estética que tanto lhe interessa. Cada quadro tem uma gama de cores previamente determinada e o conjunto destes apresenta um jardim no interior da galeria.
O Jardins da Memória de Ivone são uma consequência da sua admiração pela natureza e uma forma se conectar com ela e perpetuar lembranças gostosas do tempo de menina.

Clara Pechansky -evento paralelo Kombina