Josephina Kern – TRANSformações

Josephina Kern – TRANSformações

Em tempos de censura e puritanismo, Josephina Kern encanta-se com Egon Schiele, pintor controverso de vida questionável sobre os padrões morais de sua época (1890-1818). Josephina não se importa com isso, o que a fascina, é o talento, o traço de Egon Schiele. Encantada com suas obras, a artista mostra imensa sensibilidade ao transformar os homens de Schiele em mulheres nas suas pinturas. Josephina está afinada às discussões sobre gêneros, é uma mulher contemporânea, atualizada sobre os mais diversos assuntos e não se ruboriza com qualquer questão. Falando com clareza e tranquilidade, coloca sua opinião firme e suave. Aos 88 anos, por mera inspiração ou com sentido de questionar, Josephina elabora uma exposição que talvez alguns poderiam chocar-se, mas quem vai ter coragem de censurar esta senhora de olhar doce e luminoso?

Rodrigo Corrêa

 

Abertura: 10 de abril de 2019, às 18h30

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

Visitação: Até 4 de maio de segunda a sexta das 9h30 às 18h30, e sábado das 9h30 às 13h30.

 

Maria Inês Rodrigues – Parte de Mim

A Galeria Gravura apresenta dia 10 de abril a pré-estreia do documentário “Parte de Mim”, curta-metragem sobre a trajetória da artista visual Maria Inês Rodrigues, em conjunto com a abertura de uma retrospectiva pessoal de sua obra.

 

Parte de Mim – Documentário

O documentário curta-metragem Parte de Mim é um retrato intimista sobre a personalidade da artista visual Maria Inês Rodrigues e sua trajetória. Por meio de uma costura sutil entre o registro de confissões e realizações estéticas, o filme convida o espectador ao ateliê da artista para uma conversa íntima e espontânea, que o leva a sentir-se cúmplice de seu processo criativo. Como quem revela confidências, Maria Inês discorre sobre sua visão de arte e de mundo, sua trajetória, suas paixões e anseios e suas concepções de gravura, desenho e pintura, em meio ao exercício concreto destas atividades.

A narrativa circula por dualidades dinâmicas: razão e emoção, introspecção e expressão, conteúdo e continente. Não por acaso a citação do poema Traduzir-se, de Ferreira Gullar, na voz da própria artista, traduz a síntese de suas indagações. A fotografia do documentário, por sua vez, procura perseguir a voz narrativa autobiográfica: a câmera acompanha a artista e orbita à sua volta, gerando a sensação de intimidade confidente, e por meio de fusões e transições sua montagem aproxima a imagem do discurso, e vice-versa. A opção do diretor pela luz natural e pela câmera na mão, preservando o cenário real do cotidiano da protagonista, incrementa a sensação de proximidade e veracidade do curta, pensado para a linguagem contemporânea das redes virtuais. A artista, por sua vez, também assina a co-autoria de roteiro e produção, consolidando a concepção colaborativa do filme, que busca lançar luz sobre o processo de criação através da ótica do artista em sua permanente necessidade de expressão. Direção de Claudio Santana.

 

Parte de Mim – Retrospectiva

A exposição retrospectiva de Maria Inês Rodrigues traz ao público um recorte particular e afetivo da obra da artista, como um pequeno panorama de suas gravuras e pinturas. Para a artista, o processo criativo parte do inconsciente e flui para o simbolismo das imagens: “Fui e sou apaixonada por tudo que desvenda a alma humana. É natural que, sendo artista plástica, esse conteúdo surja em minha obra. Encontro na poesia o enigma do inconsciente representado na minha expressão plástica gráfica.”

A figura humana é de fato o principal foco do trabalho de Maria Inês, porém reinterpretada em diversas versões de estranhos seres que remetem ao realismo fantástico, convivas de algum circo imemorial, vagos anjos, mulheres de formas voluptuosas e enigmáticas, sempre interessantes e imprevistos. Como disse Erico Veríssimo, figuras de um curioso mundo que ora nos parece ingênuo, ora diabólico, imagens, ídolos, amuletos, templos, pedras de uma civilização pré-colombiana ou pré-incaica por ela própria inventada.

“Na relação entre arte e tempo, parece não haver uma sincronia universal. Fluímos em redemoinhos sem uma noção exata de presente, passado e futuro. É nesse tempo que encontro meu espaço e recorto a retrospectiva apresentada na Galeria Gravura”, conclui a artista.

Curadoria de Claudio Santana.

 

O quê: Pré-estreia do documentário Parte de Mim, sobre a obra de Maria Inês Rodrigues e abertura da exposição retrospectiva da artista.

Quando: Quarta-feira, 10 de abril, a partir das 19h.

Onde: Galeria Gravura – Rua Coronel Corte Real, 647 – Porto Alegre

Desenhos de Alice Soares

Em homenagem ao mês das mulheres, a Gravura Galeria de Arte recebe nova exposição de Alice Soares em março

Na Sala Nova, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, serão apresentados os desenhos da renomada artista plástica gaúcha Alice Soares, falecida em 2005. Serão 13 desenhos retratando suas famosas meninas, alguns em preto e branco e outros coloridos, com tamanho aproximado de 50×70 centímetros. Alice Soares nasceu em 1917, na cidade de Uruguaiana. Em 1943 formou-se em pintura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde lecionou por mais de 30 anos e recebeu o título “Professor Emérito”. Desde 1947 expôs seus trabalhos em mostras individuais e coletivas por todo o estado, além de ter participado da I Bienal de São Paulo, e ter exposto também no Rio de Janeiro e Santa Catarina.

SERVIÇO

Abertura da exposição Desenhos de Alice Soares.

Data: 14 de março de 2019

Horário: 18h30

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

Visitação: de 14 de março a 30 de março

De segunda a sexta das 9h30 às 18h30, e sábado das 9h30 às 13h30.

 

Atelier Britto Velho e Graça Marques

Obras de Graça Marques e dos artistas do Atelier do Britto Velho ficam a mostra na Gravura Galeria em novembro

Duas novas exposições inauguram na Gravura Galeria de Arte na segunda-feira, dia 12 de novembro. Em “Reinventando Mapas”, Graça Marqués apresenta seus quadros em formato de mapas, nos quais utiliza técnicas de colagem e texturas para refletir sobre os diferentes caminhos e espaços que habitamos e que mudam com o tempo. Já na exposição coletiva do Atelier do Britto Velho, os artistas trazem suas pinturas trabalhadas em acrílico, em que cada uma cristaliza as vivências e a linguagem pessoal de cada um. As obras ficam abertas para visitação do público até o dia 01 de dezembro.

A pintora jaguarense Graça Marqués é licenciada e pós-graduada em Belas Artes pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Em 1985 foi morar na Espanha, onde entrou em contato com o ambiente artístico e cultural de Madri. A partir de 1985 Graça passou a trabalhar com diversas galerias de arte, onde já realizou diversas exposições individuais e coletivas. Na exposição “Reinventando Mapas”, a artista traz um novo olhar sobre a cartografia, utilizando colagens, texturas e imagens impressas para transformar os espaços nos mapas, fazendo com que superfícies planas se tornem territórios acidentados. Aqui, Graça reflete sobre os lugares que nos habitam da mesma forma que os ocupamos, e que, mesmo quando mostrados de formas diferentes do que já conhecemos, esses espaços se reconstroem dando novos sentidos e possibilidades para que outros sejam inventados.

Há 23 anos o Atelier do Britto Velho funciona como um espaço de troca de ideias e experiências entre artistas. O responsável pelo atelier, o artista Britto Velho, se dedica ao mundo das artes há 52 anos, e junto com sua turma no atelier realiza diversas exposições coletivas. Na Gravura Galeria de Arte, os nove artistas mostrarão os trabalhos realizados em 2017 e neste ano, todos feitos com acrílico. Cada pintor apresentará duas obras, as quais representam a linguagem pessoal de cada um, sendo a cristalização das vivências e dos sentimentos dos artistas. Participam dessa exposição Adriana Freitas Vitória, Alice Schmitt, Britto Velho, Eduardo Tondo, Guerra, Guta, Maria Isabel Berta Dorneles, Marsinho Susin e Sandra Kravetz.

 

SERVIÇO

Abertura da exposição “Reinventando Mapas”, de Graça Marqués, e da exposição coletiva do Atelier do Britto Velho.

Data: 12 de novembro de 2018, às 19h.

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

Visitação: de 12 de novembro a 01 de dezembro de 2018

De segunda a sexta das 9h30 às 18h30, e aos sábados das 9h30 às 13h30.

 

Rita Gil e Silvia Brum

Exposições de Rita Gil e Sílvia Brum são as atrações da Gravura Galeria de Arte em outubro

No dia 03 de outubro, inauguram na Gravura Galeria de Arte duas novas exposições das artistas e arquitetas Rita Gil e Sílvia Brum. Na Sala Negra, Rita traz a “Sagrado Mágico”, uma coleção sacra de pinturas em acrílico sobre tela que tem como inspiração a atual situação do país. Já na Sala Nova, Sílvia Brum fará, no dia da abertura, a vernissage da sua exposição “Mimetismos”, uma série de pinturas a óleo de rostos camuflados de mulheres que emergem do plano, no intuito de fomentar a reflexão sobre as diversas questões do universo feminino. As obras podem ser visitadas até 01 de novembro.

Rita Gil é arquiteta e artista visual, e já conta com 30 anos de carreira no universo da arte. Seu atelier fica em Gramado, sua cidade natal, e temas como religiosidade, política, moda, mulheres e cultura regional são recorrentes em suas obras. Na mostra “Sagrado Mágico”, Rita traz pinturas com cores quase puras permeando entre o verde, azul e amarelo, e o fundo é uma mistura de recortes da cidade de Gramado com a bandeira do Brasil. As figuras sacras aparecem olhando para frente e para o lado ao mesmo tempo, como uma representação do presente e futuro se relacionando num mundo contemporâneo, onde as mudanças se fazem necessárias. A exposição “Sagrado Mágico” tem curadoria e texto da artista Clara Pechansky.

Sílvia Brum é porto-alegrense e graduada em arquitetura e urbanismo pelo Centro Universitário Ritter Dos Reis. Em 2005, Sílvia morou por 07 meses em Paris, na França, onde iniciou os estudos sobre fotografia. A arquiteta possui em seu currículo diversas exposições individuais e coletivas em Porto Alegre. Em “Mimetismos”, através das suas pinturas, Sílvia provoca a reflexão sobre como os contextos que cercam as pessoas interferem na formação das personalidades, mas com foco nas mulheres. Com uma perspectiva peculiar, as obras tratam das questões femininas diante das suas subjetividades emocionais e dos contextos sociais que pautam a sociedade atualmente.

SERVIÇO

Abertura das exposições “Sagrado Mágico” de Rita Gil e “Mimetismos” de Sílvia Brum

Data: 03 de outubro de 2018 Horário: 19h

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

Visitação: de 03 de outubro a 01 de novembro de 2018.

De segunda a sexta das 9h30 às 18h30, e sábado das 9h30 às 13h30.

Miniarte Ilusão, Fiesta de Paz, Palavras na Parede e Kombina

MINIARTE, KOMBINA e GRAVURA trazem a Porto Alegre mais de 200 artistas internacionais em setembro

 

Com Coordenação Internacional de Clara Pechansky (Projeto Miniarte) parceria da escritora Christina Dias (Projeto Kombina), expografia e comercialização de Regina Galbinski Teitelbaum, a Gravura Galeria de Arte de Porto Alegre inaugura dia 5 de setembro, às 19 horas, três exposições inéditas:

Na Sala Negra, o 32º Intercâmbio Internacional de MINIARTE vai mostrar obras em pequeno formato (18x18cm) criadas por 173 artistas visuais de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Espanha, México e Venezuela sob o tema ILUSÃO. Essa exposição, que celebra os 15 anos da Miniarte, tem ZORAVIA BETTIOL como artista homenageada.

Na Sala Nova, 11 escritores convidados do Projeto Kombina expõem pequenos textos em poesia e prosa, impressos sobre imagens originais sobre o tema PAZ. Será a exposição PALAVRAS NA PAREDE, que simultaneamente com a FIESTA DE PAZ BRASIL, mostrará o encontro de 30 brasileiros e 30 estrangeiros, numa grande celebração de PAZ. Esses

60 artistas, entre consagrados e emergentes, foram desafiados por Clara Pechansky a criar pinturas sobre tela em 40x40cm, e o público poderá apreciar a diversidade de suas criações. As obras podem ser adquiridas ao preço único de R$1500,00.

Entre os brasileiros convidados estão Angela Zaffari, Beatriz Balen Susin, Britto Velho, Ena Lautert, Eliane Santos Rocha, Esther Bianco, Inês Benetti, Ivan Pinheiro Machado, Liana Timm, Maria Inês Rodrigues, Paulo Amaral e Zoravia Bettiol, que junto com Andréa Beatriz Garcia, Carolina Villa, Josefina Suarez, Vivian Ivette Moreau, Mauricio Mayorga e Olaff Crown, pintores já consagrados em seus países, formam um grande mosaico internacional.

A programação da Gravura ainda prevê que no dia 15 de setembro, sábado, às 11 horas, acontecerá a KombinaFest, com a presença dos escritores, que entre livros e brinquedos estarão promovendo atividades para crianças e adultos.

Serviço                                                                                

Data: Abertura dia 5 de setembro de 2018, às 19 horas

Visitação: De 5 de setembro a 1º de outubro de 2018

De segunda a sexta das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 13h30

Local: Gravura Galeria de Arte – Rua Corte Real, 647 – Porto Alegre

MINIARTE ILUSÃO – 173 participantes com obras de 18x18cm – ARTISTA HOMENAGEADA: Zoravia Bettiol. Obras não estão à venda. CONVIDADOS DE HONRA – Andréa Beatriz Garcia, Carolina Villa (Argentina), Ernesto Ríos Rocha, Jorge Luis Hurtado Reyes (México), Jorge Torres, Mauricio Mayorga (Colômbia), Josefina Suarez, Vivian Ivette Moreau (Chile), e Paula Goldstein (Estados Unidos).

PALAVRAS NA PAREDE – 11 participantes – textos de Alexandre Brito, Christina Dias, Cíntia Moscovich, Jane Tutikian, Liana Timm, Luiz Paulo Faccioli, Marô Barbieri, Martha Medeiros, Nora Prado, Paula Teitelbaum, Ricardo Silvestrin.

FIESTA DE PAZ BRASIL – 60 participantes com obras de 40x40cm, que poderão ser adquiridas ao preço único de R$1500,00.

Atelier Coletivo e Andréa Graiz

Fotos de Andréa Graiz e exposição do VW Atelier Coletivo são as atrações da Gravura no mês de agosto

 

As duas exposições que abrem na Gravura Galeria de Arte no dia 08 de agosto mostram como a percepção pode alterar o resultado. “Naturalmente” mostrará como a fotojornalista Andréa Graiz apresenta detalhes da natureza, que muitas vezes passam despercebidos diante das pessoas, já a “Infinito Recomeçar” traz a etapa de transição que o VW Atelier Coletivo está passando.

Andréa Graiz faz seus registros em seu tempo livre, em viagens de férias e, também, no tempo em que morou no Canadá. As imagens variam entre grandes cenários naturais e pequenos detalhes de lugares pelo qual ela passou. A exposição “Naturalmente” apresentará 21 obras da fotojornalista, em sete tamanhos diferentes.

A “Infinito Recomeçar” é uma exposição do VW Atelier Coletivo, que era conhecido como Atelier Estággio. Sob direção de Liane Paiva, o atelier passou por uma transformação após o recente falecimento da artista visual Vera Wildner, fundadora e orientadora. O grupo do atelier optou por continuar suas atividades e agora assumem uma postura mais autônoma e madura. O título da exposição foi escolhido para representar esta etapa de transição e apresentar o resultado de suas novas produções. A exposição contém obras das 11 artistas, que desenvolvem suas práticas artísticas como processos únicos dentro do universo de cada uma, através da linguagem da pintura e com técnicas diversas.

Artistas participantes: Andréia Moll, Ainez Aranha Rosito, Angela Ognibeni, Ana Mähler, Clara Serrano, Leda Zimmermann, Leonor Pinto Moura, Lucy Copstein, Mariana Geiss Sperotto, Maria do Horto Bastos Kuhn e Vitoria Davoglio Ribas. Também participa uma obra de Vera Wildner como uma homenagem e também uma forma de manter viva a memória da grande artista que foi.

As duas exposições inauguram no dia 08 de agosto e encerram no dia 1º de setembro.

 

Serviço

Abertura “Naturalmente” e “Infinito Recomeçar”

Data: 08 de agosto de 2018

Horário: 19h

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

Visitação: de 08 de agosto a 1º de setembro

IN PROCESS

Exposição coletiva IN PROCESS

 

Galeria Gravura, Corali Cardoso e Rodrigo Corrêa há seis anos produzindo  exposições com temática pouco comum, este ano subvertem mais uma vez a ordem natural das coisas com a exposição coletiva IN PROCESS. Uma exposição não acabada, não colocada de maneira usual. IN PROCESS é uma exposição que acontecera ao contrário. A exposição abre em um cenário onde cada artista apresenta uma tela já executada anteriormente, ocupando as duas salas da galeria, postas cuidadosamente no chão, como em um atelier comum. Nessa noite, alguns artistas com interesse, escolhidos  ou sorteados estarão pintando diante do público as telas que realmente participarão da exposição. Nos 30 dias seguintes, todos os artistas, escalonadamente, em horários variados, combinado anteriormente, convenientemente a todos, pintarão suas obras na Galeria Gravura em transmissão ao vivo pelas redes sociais. Neste momento, o artista terá a oportunidade de interagir com o público da Galeria Gravura aproximando-se e interagindo com todos. Ao final dos 30 dias de execução, cada artista apresentará sua obra concluída. As obras expostas no chão, que fazem o cenário, são retiradas e as obras executadas são colocadas nas paredes como em uma exposição usual. Acontece então, não uma vernissagem, mais sim uma “finissagem” numa única noite. Ou seja, uma exposição ao contrário. IN PROCESS trata do ato da execução, do processo criativo, das dúvidas e das certezas na execução da obra. O ato, o momento, toma o lugar do resultado. A obra de arte assistida no exato momento de sua criação.

 

Flávio Pacheco e Marco Santaniello

Duas exposições inauguram em junho na Gravura Galeria de Arte

 

O dia 06 de junho marca a abertura das exposições “Um outro eu”, de Flávio Pacheco, e “From NY to POA”, de Marco Santaniello, na Gravura Galeria de Arte. As obras ficarão à disposição dos visitantes até o dia 30 do mesmo mês.

Em suas manifestações artísticas, Flávio retrata o cotidiano por meio de inusitadas descobertas feitas sob seu olhar atento. A imagem simulacro de rostos é colocada pelo artista como uma substituição do real, obtendo essência própria ao invés de se comportar como uma cópia. Depósito de pigmento em cores diferentes dá o tom do artista, que vê a pintura como fundamental para sua expressão.

As fotografias do italiano Marco Santaniello apresentam seu olhar sob questões banais do dia a dia, mas, também, relaciona estas a assuntos com teor político, religioso e focado na sociedade contemporânea. O artista explora as cidades e busca por suas próprias interpretações dos lugares e pessoas que encontra. As imagens que registra são trabalhadas e ganham aspecto de histórias em quadrinhos, com características que remetem à Pop Art.

As duas exposições têm visitação de segunda a sexta, das 9h30 às 18h30 e sábados, das 9h30 às 13h30.

Serviço

“Um outro eu” e “From NY to POA” na Gravura

Data: 06 de junho de 2018

Horário: 19h

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)

 

Margarida Stein e Roseli Deon

Em homenagem ao Dia das Mães, Gravura Galeria de Arte abre duas exposições de esculturas, instalações e pinturas na no mês de maio

 

Na quarta-feira, 09 de maio, inauguram duas novas exposições na Gravura Galeria de Arte. As obras de Margarida Stein com a participação de Rodrigo Corrêa serão instaladas na Sala Negra, enquanto as pinturas de Roseli Deon ficarão na Sala Nova. Ambas as exposições ficarão abertas para visitação até o dia 02 de junho.

As esculturas, instalações e pinturas que fazem parte de “As mães do Gueto” foram inspiradas na história de três mulheres que tiveram seus bebês nos campos de concentração da 2ª Guerra Mundial. A vida de Priska, Rachel e Anka são parte do livro “Os bebês de Auschwitz”, da escritora americana Wendy Holden, que conta as condições subumanas dos campos. Margarida Stein conta com a participação de Rodrigo Corrêa para homenagear as milhares de mulheres e mães vitimadas neste regime cruel e os jovens que lutaram contra a barbárie nazista, através de suas obras.

Já nas pinturas de “Abstrações no Tempo”, de Roseli Deon, predomina o abstrato. Conforme o artista e curador Paulo Amaral “Nas recentes pinturas de Roseli predominam o preto e o branco, forte economia de cores, despojamento em favor da imagem já não necessitada de pigmentos para revelar-se como discurso da forma, pois esta, agora, encontrando a abstração, surge espontânea em evidente concretismo, ainda que com inapagáveis marcas de nascença, esse DNA da artista, prontamente reconhecido e que torna sua obra bem distinta como proposta, mas sempre identificável em autoria.”

 

A visitação ocorre de segunda à sexta, das 9h30 às 18h30, e sábados, das 9h30 às 13h30.

 

Serviço

“As mães do Gueto” e “Abstrações no Tempo”

Abertura: 09 de maio de 2018, às 19h

Visitação: até 02 de junho de 2018

Horários: segunda à sexta, das 9h30 às 18h30, sábados, das 9h30 às 13h30

Local: Gravura Galeria de Arte (Rua Corte Real, 647)